Nenhum produto no carrinho.

    • Peito de Frango com Mel Nº 88 Fire by Beesweet
    • Sopa de Cenoura com Mel Nº 1 Citrus by Beesweet
Home / Nas bocas do mundo / Município de Estarreja destaca a Beesweet

Município de Estarreja destaca a Beesweet

MUNICÍPIO DE ESTARREJA DESTACA A BEESWEET

O Município de Estarreja destacou o nosso projecto no seu website oficial, num reconhecimento da capacidade empreendedora e inovação da Beesweet.

Município de Estarreja

A paixão do avô pelas abelhas inspirou as estarrejenses Ana Pais e Carla Pereira. Fundadoras da Beesweet, que vai lançar no mercado, ainda este ano, novos sabores de mel e o mel de mirtilo. A dias de embarcarem para a China, as empreendedoras têm a decorrer uma campanha de crowdfunding. Este é determinante para o avanço do fabrico do molde da embalagem. Este ano será decisivo para a Beesweet e para o mercado do mel.

Com base nos resultados da campanha, a Beesweet iniciará a produção dos moldes, a compra do mel, a execução da embalagem e o início da colocação dos produtos nas lojas Gourmet & Premium.

Foi o indesejado desemprego que despoletou a feliz história recente da BeeSweet. Ana Pais, de 31 anos, licenciada em turismo e especialização em tradução, e Carla Pereira, de 28 anos, técnica profissional de qualidade. “Quando nos vimos desempregadas resolvemos recorrer às nossas raízes, à cultura da nossa família e à experiencia do meu avô como apicultor”, que já tinha tentado criar sabores diferentes com o mel. A herança que transitou de geração em geração deixou as duas primas apaixonadas pelas abelhas e pelo mel”. Hoje, “as nossas cabeças fervilham de ideias inovadoras”. “Pusemos mãos à obra”, diz Ana Pais, revelando a dinâmica desta dupla empreendedora.

Representam uma lufada de ar fresco no “obsoleto” mercado do mel. Fazem-no criando “algo diferente”, com impacto e “sabores diferenciadores.”. Ana Pais explica o conceito. “O objetivo é pegar no mel monofloral. Com base nessa tradição familiar colocar um sabor, desde os mais frescos como os cítricos, aos mais intensos;”. Não pretendem ser apicultoras.  Pretendem sim, “pegar no mel de qualidade que Portugal tem e dar-lhe uma roupagem completamente diferenciadora e inovadora. Depois é só colocar neste nicho de mercado”.

Ao consumidor chegará “muito mais do que mel”, prometem. Como se de “um perfume raro” se tratasse “com vários sabores, cheiros, texturas e cores”. Ana esclarece que esta “linha de sabores tem uma gama fresca e uma gama quente, mais intensa, para os consumidores poderem utilizar em diferentes situações” e aplicações gastronómicas, de forma a satisfazer todos os gostos.

Mel de Mirtilo é Raro

Para além da gama de mel com sabores diferenciados, a BeeSweet produz o Beeblue, um mel raro, específico de floração de mirtilo. “A abelha vai à floração do mirtilo” e atendendo a essa necessidade a BeeSweet desenvolveu três parcerias fundamentais. A BioBaga, de Avanca, a Casa Milos, de S. Pedro Sul, e a Quinta da Remolha, de Sever do Vouga. Com “ótimas características”, o mel de mirtilo “não existe em Portugal, apenas no Canadá”. 

Garantir um produto novo, distinto e com qualidade, reforça Ana Pais; tendo como aliadas a Faculdade de Ciências de Nutrição do Porto, com vista a caracterizar o mel e estudar as suas propriedades antibacterianas, assim como a sua atividade cicatrizante; com a Universidade de Aveiro, que também vai estudar este mel específico; e com o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, com intuito de avaliar a capacidade antioxidante e determinar o perfil em polifenóis. “Queremos fazê-lo de forma certificada e garantida de que tem benefícios diferenciadores por comparação com outro tipo de mel”, evidencia Ana Pais.

Embalagem elegante e prática

Estes novos produtos destinam-se ao mercado Premium e apresentam outra novidade, a embalagem leve, ergonómica, limpa e prática de utilizar. “A embalagem diferencia-nos, é totalmente diferente, não se trata de um frasco de vidro. É ergonómica, com zero desperdícios e glamorosa”. Inovar representa igualmente um esforço acrescido para ultrapassar determinadas barreiras, como a do modelo da embalagem, para a qual foi necessário desenvolver “todo o projeto e conceber um molde próprio”, que se enquadre nesse espírito de “inovação de sabores e floração específica de mirtilo”.

À venda ainda este ano, aproximação à China já este mês

Com uma estratégia rigorosamente definida, a BeeSweet pretende colocar o produto no mercado até julho. Nesta fase, “temos o objetivo de colocar no mercado 7 mil embalagens nestas lojas específicas”, estando para já identificadas 100 lojas, das quais seis fora de Portugal.

Mas o primeiro contacto com o mercado internacional vai acontecer já a partir do próximo domingo e numa das maiores potências do mundo. A BeeSweet integrará, juntamente com a Associação de Jovens Empresários Portugal China uma importante missão de 10 dias a Macau, Hong Kong, Jiangmen e Zhuhai e participará na Feira Internacional Interwine em Guangzhou, com a finalidade de promover “provas de mel para sentir o feedback do consumidor chinês que é bastante exigente e tentar sondar um possível distribuidor deste tipo de produtos”.

Empreendedoras de sucesso

Participação em cursos na área do empreendedorismo e apresentação de candidaturas a programas de empreendedorismo. Estas têm sido  constantes no percurso destas duas jovens. Esperam “receber as melhores ferramentas possíveis para sermos empreendedoras de sucesso. O apoio que temos recebido de formadores e mentores tem sido a nossa mais-valia”, afirma Ana Pais.

No que se refere à gestão do negócio, “não tínhamos nenhuma experiência. Mas neste último ano fizemos uma longa aprendizagem cuja evidência são os prémios alcançados.”, como o Passaporte para o Empreendedorismo do IAPMEI, o 1º lugar no Startup Pirates – ISCAC (Coimbra), a 5ª etapa – top 15% – no Acredita Portugal ou o destaque alcançado no Aveiro Empreendedor e no Programa Indústrias Criativas – The Next Big Idea. Mais recentemente venceram o 1º prémio do OAZ YouthBusiness. Contudo, mais importante do que a compensação monetária, são os “contactos estabelecidos que têm sido muito úteis. Este projeto surge muito das parcerias que se criam”, testemunha a pardilhoense.