Nenhum produto no carrinho.

    • Peito de Frango com Mel Nº 88 Fire by Beesweet
    • Sopa de Cenoura com Mel Nº 1 Citrus by Beesweet
Home / Missão social e ambiental / A importância das Abelhas

A importância das Abelhas

apicultora

Existem milhares de espécies de abelhas. Hoje vamos falar sobre a Apis melifera e sobre a importância das Abelhas.

Produz boas quantidades de mel, enxameia moderadamente e só é agressiva quando incomodada. Ao colherem pólen e néctar das flores, as abelhas polinizam mais de um terço das plantas do planeta.
O seu declínio populacional poderá dar origem a uma catástrofe alimentar.

A vida na colmeia

A colónia

As abelhas vivem em colónias, sendo por isso consideradas um superorganismo. Uma colónia é constituída por uma rainha, milhares de obreiras e muitos zângãos.

A Rainha: Única fêmea sexualmente madura, é a mãe de todas as obreiras, dos zângãos e futuras rainhas. Nasce de um alvéolo especial — alimentada com geleia real — e pode viver entre 2 a 5 anos. É fecundada uma vez na vida — em voo e por vários zângãos — e chega a pôr dois mil ovos por dia.

As Obreiras: Na colmeia existem entre 20 e 80 mil indivíduos. As obreiras constroem os favos, cuidam da criação, gerem a saúde da colónia, defendem a colmeia, procuram, recolhem e armazenam alimentos (pólen e mel). No pico da produção primaveril, vivem entre 15 e 40 dias. No Inverno duram alguns meses.

Os Zângãos: Podem existir alguns milhares na colónia na Primavera e servem para garantir a fecundação das futuras rainhas. Ajudam no aquecimento e no arrefecimento das colmeias. Na Primavera vivem entre 20 e 30 dias; no Verão, 90 dias. Morrem depois de acasalarem com uma rainha.

A arquitectura da colmeia

Existem duas áreas dentro da colmeia: na base está o ninho, no topo, o espaço para produção de mel. As obreiras constroem os alvéolos hexagonais em cera para servirem de berçários e de reservatórios de pólen e mel.

A vida dentro da colmeia

Depois de a rainha pôr um ovo no alvéolo, segue-se a fase de larva, pupa e adulto. Durante os 21 dias que dura todo o processo, as obreiras-amas, cuidam de cada uma das futuras abelhas. Depois de nascer, a primeira tarefa de uma obreira é a limpeza dos alvéolos.

A decisão do género

É a rainha que decide, se o ovo dará origem a uma obreira, a um zângão ou a outra rainha. E orienta-se em função da dimensão do alvéolo. Nos mais pequenos põe um ovo que dará origem a uma obreira, nos maiores um ovo para um zângão. O de maior dimensão — o alvéolo real — está reservado para um ovo de onde nascerá uma nova rainha, alimentada em exclusivo a Geleia Real.

Enxameação

É o processo natural de reprodução da própria espécie e consiste na saída de parte das obreiras da colmeia com a rainha para a criação de uma nova colónia (numa gruta, num tronco de árvore ou noutra colmeia).

Viagem às flores

A partir do 23.º dia de vida, as obreiras dedicam-se à recolha de néctar e pólen e podem deslocar-se até 3km da colmeia. Cada abelha faz entre 10 e 15 viagens por dia.

A riqueza botânica

A qualidade e a diversidade de aromas e sabores dos méis portugueses resultam da riqueza da fauna e da flora – vegetação espontânea nos diferentes terroirs do continente e das ilhas.

O alimento das abelhas

As abelhas recolhem néctar e pólen, destinados à alimentação da colónia.

A escolha dos alimentos

As abelhas são atraídas por flores perfumadas e de cores vibrantes. Entre estas, escolhem aquelas que são mais ricas em néctar e pólen.

Capacidade de carga

As obreiras que recolhem néctar, podem transportar para a colmeia entre 25 e 40mg por viagem. As que pastoreiam pólen, entre 10 e 30mg. Ao fim de mais de 800km de voo ao longo da sua curta vida, a abelha morre.

Néctar vs mel

A produção de um quilo de mel implica a recolha de néctar em cerca de quatro milhões de flores.

Como nasce o mel

O néctar que a abelha recolhe vai para o seu estômago, onde, por via do trabalho de enzimas, começa a ser transformado em mel. Quando a abelha chega à colmeia, transfere o preparado para outra abelha. E é esta que, ao fim de 20 minutos, vai colocar o composto açucarado nos alvéolos.

Quando está pronto o mel

O composto açucarado colocado nos alvéolos não é ainda mel porque tem mais de 50% de água. Só é mel quando o teor de humidade está abaixo dos 20%. Isso acontece porque as obreiras controlam a temperatura e a humidade na colmeia. Conseguem-no batendo as asas, criando assim as condições ideais de evaporação da água. Quando o que está no alvéolo é finalmente mel, as abelhas selam a célula com cera.

Cresta

É o processo de extracção do mel do interior das colmeias. Cada apicultor escolhe o momento da cresta em função do maneio adequado da colmeia e do perfil de mel que pretende colocar no mercado.

Própolis

Composto que resulta da incorporação de determinados sucos, produzidos pelas abelhas, em resinas que recolhem das plantas. É usada para vedar e desinfectar as colmeias. Tem propriedades antifúngicas e antibacterianas.

Geleia real

É uma secreção produzida pelas glândulas hipofaríngeas das jovens abelhas e serve para alimentar durante três dias todas as larvas da colmeia, sendo que, no caso da rainha, será durante todo o ciclo de gestação, que é praticamente cosntante. Considerado um superalimento, é usado pelo homem como antioxidante e estimulante.

Pólen

O pólen é recolhido nas flores e utilizado como alimento pelas abelhas. A sua utilização na alimentação humana é mais recente do que o mel, mas o seu valor alimentar é igualmente elevado.

Pão-de-abelha

O pólen apícola é transformado no interior da colmeia em pão-de-abelha pela adição de mel e secreções salivares das abelhas. Este derivado polínico é armazenado nos favos, onde sofre um processo de fermentação. É a única fonte de proteína consumida pelas abelhas durante a fase de desenvolvimento larvar.

Hidromel

Considerada a primeira bebida alcoólica do mundo, resulta da fermentação de mel com água.

Os inimigos das abelhas

• Alterações climáticas
• Intensificação agrícola — monocultura
• Má utilização de insecticidas e herbicidas
• Redução da vegetação espontânea
• Parasitas da própria abelha

Economia do Mel

As fraudes no mel

São várias e complexas, mas a mais comum é misturar mel com xaropes de cereais ou açucares refinados.

Classes de mel

Para efeitos de concurso, existem os méis monoflorais (predominância do néctar de uma determinada flor) e méis multiflorais (mistura de néctares de diferentes plantas).

Vantagens competitivas da apicultura nacional

Riqueza e diversidade de vegetação espontânea.

Terroirs não poluídos

Mel certificado: DOP e MPB

Portugal tem nove Denominações de Origem Protegida, o que nos dá uma ideia da riqueza, diversidade e tradição dos méis nacionais. A produção de mel em Modo de Produção Biológico (MPB) tem crescido bastante em Portugal. Actualmente já existem várias marcas e tipos de mel (monoflorais, multiflorais) certificados como DOP ou biológica.

Fonte: Edgardo Pacheco (Publico); Guia Prático da Biologia da Abelha (Luís Moreira e Nuno Farinha) e Federação Nacional dos Apicultores de Portugal